DesignBR

Vai Design!!

Existem umas perguntas que muitos de nós designers, sendo designers, titubeamos a responder. Quem somos e o que fazemos. Isso ainda acaba gerando dúvidas de proporções mais sérias, pois estas respostas influem diretamente em temas como a regulamentação da profissão.


O que venho a propor é o seguinte: contabilizarmos e definirmos cada segmento. Acho que falar sobre custos (salário, tabelas de preços, materiais), também já se faz necessário.

Podem copiar/colar para adcionar algum item.
Design (em alguns casos projeto ou projecto) é um esforço criativo relacionado à configuração, concepção, elaboração e especificação de um artefato. Esse esforço normalmente é orientado por uma intenção ou objetivo, ou para a solução de um problema.

Exemplos de coisas que se podem projetar incluem muitos tipos de objetos, como utensílios domésticos, vestimentas, máquinas, ambientes, e também imagens, como em peças gráficas, famílias de letras, livros, e (recentemente) interfaces de programas.

Design é também a profissão que projeta os artefatos. Existem diversas especializações, de acordo com o tipo de coisa a projetar. Atualmente as mais comuns são o design de produto, design gráfico, design de moda e o design de interiores. O profissional que trabalha na área de design é chamado de designer.

Finalmente, o design pode ser também uma qualidade daquilo que foi ...

O termo deriva, originalmente, de designare, palavra em latim, sendo mais tarde adaptado para o inglês design. Houve uma série de tentativas de tradução do termo, mas os possíveis nomes como projética industrial que acabaram em desuso.

DESIGN DE PRODUTO (DIVISÃO) - esse é um item "chave", assimo como gráfico. Minha sugestão é que qualquer designer que tenha um foco específico (como Light Design - sim, foi pra vc Paulo), não haja criação de uma subdivisão. Qualquer projeto que venha a ser executado, é um produto. Ao contrário de Design de interiores, que além de produtos, o conjunto destes também faz parte de suas atribuições.

subdivisões:
* Design automobilístico
* Design de embalagem
* Design de mobiliário
* Design de Moda
* Design de jóias

# Design de Ambientes
* Design de interiores
* Design de iluminação

Design de produto
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

O Design de produto, também chamado projeto de produto ou desenho industrial, trabalha com a produção de objetos e produtos tridimensionais para usufruto humano. Um designer de produto lidará essencialmente com o projeto e produção de bens de consumo ligados à vida quotidiana (como mobiliário doméstico e urbano, eletrodomésticos, automóveis e outros tipos de veículos, etc) assim com a produção de bens de capital, como máquinas e motores.

Considera-se desenho industrial a forma plástica ornamental de um objeto ou o conjunto ornamental de linhas e cores que possa ser aplicado a um produto, proporcionando resultado visual novo e original na sua configuração externa e que possa servir de tipo de fabricação industrial.

O Design de produto, dada a sua relação com os processos de produção industriais e sua origem na Revolução Industrial, começa a se delinear no Século XIX, especialmente com os textos teóricos ligados ao movimento Arts & Crafts que enxergava na produção artística um guia para a produção industrial. Da mesma forma que o Design Gráfico, porém, ele ganha maturidade e sofre uma profunda revolução com as experiências feitas na Bauhaus, no início do Século XX, praticamente definindo a noção atual da profissão.

O design é uma atribuição de valor identificado pelo mercado e transformado em atributo físico do produto. O Registro de Desenho Industrial é um título de propriedade temporária sobre um desenho industrial, outorgado pelo Estado aos autores ou outras pessoas físicas ou jurídicas detentoras de direitos sobre a criação.

O Design é necessário às indústrias para "produzir o produto certo, pelo preço certo, para o mercado certo, na altura exacta"(ARAÚJO, M. D., Tecnologia do Vestuário, Lisboa, FCG, 1996). Isto atendendo a valores estáticos, políticos, econômicos, sociais, geográficos, etc., no sentido de rentabilizar as ferramentas, a organização e a lógica da industrialização, para que a empresa possa competir com a concorrência, tanto no lançamento de novos produtos como no re-design de outros. O conceito, a forma, a cor, a embalagem e as características físicas do produto, assim como o seu preço, são decisivos para o sucesso da sua venda.

Os principais conhecimentos utilizados no design de produtos são a metodologia de projeto, as técnicas industriais e os materiais existentes.

Indústrias

* Móveis
* Automóveis
* Indumentária e Indústria têxtil
* Indústria eletro-eletrônica
* Indústria metal-mecânica
* Cutelaria
* Indústria náutica


DESIGN GRÁFICO - O design gráfico é uma forma de comunicação visual. É o processo de dar ordem estrutural e forma à informação visual, trabalhando frequentemente a relação de imagem e texto. Podendo ser aplicada a vários meios de comunicação, sejam eles impressos, digitais, audiovisuais, entre outros.

O profissional que realiza esse tipo de função é o designer gráfico. No entanto, mesmo existindo uma formação específica para essa área, vários tipos de profissionais tentam atuar como designers gráficos - notoriamente os publicitários, assim como ilustradores e artistas gráficos. Por falta de base fundamentada dos profissionais formados em outras áreas e que atuam com o design acabam distorcendo a conceituação de cores, formas, idéias, valores, estética e outras qualidades inseridas num trabalho final.

Tradicionalmente os princípios do design gráfico estavam ligados a um formalismo e o funcionalismo. Atualmente, com o desenvolvimento da internet e da teoria do design de informação, há uma preocupação maior com a informação e o papel do usuário no design gráfico.

* Design de fontes
* Design editorial
* Design institucional
* Design de embalagem - AQUI UM PONTO IMPORTANTE. ONDE ENTRA CADA UM?
* Design de hipermídia
* Webdesign
* Design de jogos

designstore

Exibições: 24320

Responder esta

Respostas a este tópico

Ed, acredito que talvez haja um outro caminho mais rápido: Ao invés d definir o q o design é, definir o q ele não é, mas, como sendo a "primeira atividade realmente multi-disciplinar do mundo", dizendo quais pontos tem em comum.

Exemplo: "Design NÃO é..."

* Legislação / Direito - embora deva-se saber procedencias legais quanto à propriedade intelectual e normatização em vigor.
* Psicologia - embora seja crucial entender como a mente percebe informações, geralmente através de uma escola já esquecida na Psicologia, chamada Gestalt.
* Antropologia - embora seja um campo dos mais importantes para juntar informações sobre um problema, grupo de usuários para o projeto.
* Linguística - embora o estudo dos sinais e compreensão de símbolos (semiótica) seja *essencial*.
* Arte - embora o processo contestador da mesma seja sempre bem-vindo, há outras questões que a Arte, por si só, não contemplaria, como a adequação conservadora a um público-alvo.
* Estética / Filosofia - embora seja legal e complicada. huahauha
* Ciência - embora possa usar de diversos campos exatos (Estatística, Física, Matemática), a prática d design não pode/pôde ser formulada de forma científica até então, ou aceita como tal.
* Engenharia - embora o saber de propriedades de Materiais e Processos sempre ajude chegar a um bom projeto.
* Arquitetura - ih... hahahah
* Informática / Técnico de PCS / Manutenção - apesar do computador ser mtas vezes a principal ferramenta de trabalho---e pára por aí.
* Programação - apesar de nome Programador Visual e d trabalhar junto à programadores em Design de Sistemas e Web, um designer não deve necessariamente programar um sistema---assim como um designer de automoveis não precisa saber mto d mecânica, embora seja bom.
acrescentando:

* Medicina - apesar de saber um pouco de anatomia dinâmica e antropometria estatística, tanto para projetar produtos ergonômicos quanto para ilustrar figuras humanas mais detalhadas, se preciso.
* Fotografia - apesar de usar bastante.
* Ilustração - idem.
* Modelagem - o quê? heheh
* Marketing e Publicidade - ...dizer o quê aqui?
* Comunicação Social - apesar de ser tb uma sub-área de Comunicação.
Definitivamente, NÃO!!! Mas obviamente não deixa de ser uma profissão que pretende comunicar visualmente
Bruno, acho que seria melhor ainda tocar os dois barcos de uma vez.
Exemplo.
Desenvolvimento de um produto.

Tema/propósito - envolve: Psicologia, Antropologia

Geração de alternativas - envolve: Arte , Estética / Filosofia, ...

Escolha da proposta - Marketing, engenharia, (chefia), ...

Desenvolvimento da proposta -

Apresentação -

Preparação antes do lançamento -

Lançamento do produto -

Verificação -

Desculpem a síntese rápida, mas tenho que entregar alguns trabalhos. Mas, a intenção é essa. Cada fase do projeto envolve o que e quanto custa cada coisa.
Respondendo isso, saberemos como explicar melhor e reinvindicar corretamente nossos direitos.
Ed, concordo plenamente c tua idéia, só discordo do formato: Fórums vão deixar essa iniciativa um pouco bagunçada, a meu ver. Pq não usamos um wiki (no writeboard) ou um mapa-mental/brainstorm (no mindmeister)?
rabisquemos aqui e deixamos o filé lá pronto.
Justamente por isso! Rabiscar aqui fica tão confuso... : /
ahahahahhahaa nem de longe Ed
vc entendeu mal quando conversamos aquele dia
eu em momento algum coloco que interiores não faça parte de produto, apenas que é uma área que em muitos casos abrange tanto produto como gráfico, assim como outras que não são exclusivas do Design mas paralelas à arquitetura, engenharia e outras mais rsrsrrss

De acordo com as Diretrizes Curriculares do MEC (baseada nas outras internacionais) existe pura e simplesmente como raiz o DESIGN. Depois, tudo é sub-área:
Design de produtos
Design de embalagens
Design Gráfico
Web
Interface
Interiores
Moda...

Não creio ser esse um empecilho ou motivação de desgaste dentro da classe de DESIGNERS uma vez que a raiz de TODOS é a mesma: DESIGN.

Assim como o Designer de produto atua em outras sub-áreas do Design e lida muitas vezes com itens de engenharia, eletrônica, mecânica e etc, o de Interiores também o faz, o de gráfico tbm p faz, o de moda tbm o faz...

O que eu estava te falando aquele dia é tentar um agrupamento aqui por similaridades de função e não da forma que você colocou.
Veja bem, é meio complexo um Designer de Produtos (não especializado) conseguir embasar bem um projeto de Interiores residencial, quiçá um de interiores falar ou entender perfeitamente sobre interface. Foi nesse sentido que conversamos aquele dia via msn rsrsrsrsrs

Mas agora ao BRRRRRRRRRRRRRRRRRRRXYZ
sobre arquitetura, vi ainda ontem (novamente) num forum de arquitetura um deles dizendo algo assim:
"A arquiteura não vive sem o Design".
Concordo!
Mas sinceramente:

O DESIGN VIVE SEM A ARQUITETURA.
Me desculpe, eu trabalho com design e tenho alguns profissionais do ramo da arquitetura que em uma ocasião ou outra, me procuram para fazer trabalhos em conjunto, quando o assunto é aplicação de design em fachadas e/ou interiores.
No entanto eu não faço especificamente design de interiores, mas o trabalho junto com estes profissionais faz com que eu tome decisões mais acertivas na aplicação do design em determinadas ocasiões.
Eu discordo plenamente quando você diz que o Design vive sem a arquitetura, pois é esta arquitetura da qual o design vive sem, que torna muitos excelentes projetos de design peças em 3 dimensões, que podem ser edificações e obras de arte públicas, dando ao design um espaço muito maior para ser visto por todos.
Nenhum ramo do conhecimento é completamente isolado do outro, é preciso ter cautela quando se fala sobre isso, porque na realidade todos eles surgiram de uma única fonte, a curiosidade humana e é por isso que eu e vc estamos aqui hoje... conversando sem se conhecer por intermédio de um veículo de comunicação que certamente um designer brasileiro não imaginaria existir há 30 anos atrás, e que hoje está incorporado a uma subdivisão como vcs dizem... chamada web.
O conhecer realmente adquirido vem de fontes plausíveis e confiáveis, citar bibliografias, órgãos e instituições pode dar credibilidade ou não para um comentário... depende muito de quem comenta, de como se comenta e do que você tem como repertório próprio de conhecimento... ser apenas uma repetição de literatura... pode demonstrar uma falta de conhecimento enorme.
Não que eu esteja me referindo a sua pessoa... longe disso, mas é que a resposta merecia minha insistência neste comentário, que já fiz com o ED, porém com argumentações diferentes.
hehehe... eu não sabia que os designers se sentiam tão atingidos, ao ponto de perder algo crucial para qualquer excelente profissional, humildade né... sem ela o cara perde a vontade de aprender mais e evoluir o seu trabalho... conheço muitos profissionais que se acham prontos e se tornaram medíocres com o passar do tempo.

Um abraço
Shymas, concordo plenamente contigo---e acredito que o Paulo tb. Na verdade, o problema q ele se refere é justamente o contrário: Arquitetos que pensam que a arquitetura tem um dedo em tudo que é função.

Como vc bem descreveu, há áreas importantíssimas de confluência---porém, na maioria dos demais casos, a Arquitetura realmente é dispensável para o Design... Mas, para definir isso melhor, seria importante definir o que é Design primeiro, já q Arquitetura já está definida... ou não? ; ]

Perguntas freqüentes sobre design

Algum tempo atrás eu tinha feito um artigo chamado “Tudo que você precisa saber sobre design“. O sucesso foi grande. Porém, após 6 meses decidi que estava na hora de alterar ele um pouco, simplificar algumas coisas e adicionar outras.

Este artigo não só responde algumas das perguntas mais freqüentes sobre design, mas também algumas perguntas freqüentes que recebo aqui no Digital Paper. Para facilitar, as perguntas estão listadas abaixo para seu rápido acesso.

O que é design gráfico?

Design, desenho industrial, ou até programação visual (todos são quase sinônimos) é a profissão que visa resolver qualquer tipo de problema usando de cores, letras e formas. Design também é transmitir uma mensagem sobre algo a um determinado público alvo. Leia mais: O que é design?

O que é “design” e o que é “designer”?

“Design é a profissão, designer é o profissional dela” Design é a profissão, designer é o profissional dela. Muita gente tem dificuldade em entender este conceito, então vamos simplificar: design = medicina, designer = médico. Ou seja, você não diz “Conheço um amigo que é medicina. Ele estudou médico por 6 anos”.

O que faz o designer gráfico?

O designer gráfico criar imagens, logos, tipografias, cartazes, cartões de visitas, retoca fotos, faz montagens, imprime trabalhos, desenvolve sites, cria banners, diagrama revistas: e impressos em geral, cria anúncios, faz animações e lê muito.

O que um designer gráfico precisa saber?

Um designer gráfico aprende um pouco sobre tudo: desenho em papel, diagramação, tipografia, estética, semiótica, história, teoria da cor, teoria da forma, teorias de criação, marketing, publicidade, representação, percepção, criatividade, beleza, pintura, técnicas de impressão, representação técnica, conceituação, arte[bb], corte, vinco, tipos de papéis, acessibilidade, usabilidade, comunicação, cores especiais, HTML e CSS, edição de imagens, como aplicar questionários, como entender estatísticas, técnicas de brainstorming, funcionamento de softwares para design e o mais importante: precisa saber enxergar o mundo com a mente aberta. Em resumo, precisa saber um pouco de tudo.

O designer precisa saber desenhar?

Algumas faculdades requerem um conhecimento básico em desenho na hora do vestibular. Outras, não requerem mas ensinam no primeiro ano. É importante o designer saber representar através do desenho? É. É necessário que ele seja um Rembrandt ou Leonardo da vida? Não. Noções básicas de desenho são importantes. Caso você não tenha noção alguma (ex: não sabe nem desenhar bonecos de palito), sugiro que faça um curso de desenho. Vale a pena e vai ser de grande valia no futuro.

Preciso saber como manipular software?

“Fazer design não é saber mexer em Photoshop” Têm muito designer que não é nenhum rei do Photoshop, do mesmo jeito que há muito photoshopeiro que não sabe nada sobre design. Fazer design não é saber mexer em Photoshop. Mas a resposta pra pergunta é: sim. No entanto, se você não sabe mexer muitas universidades já incluem as noções básicas de Photoshop, InDesign, Corel, Illustrator, etc em seus currículos. Porém, é sempre recomendado que o designer esteja a par das novas tecnologias e esteja sempre fuçando nos programas e procurando tutoriais na web.

O que é um web designer?

Web designer é um designer gráfico que desenvolve web sites. Não só a parte gráfica, mas como um site funciona e como o usuário final vai utilizar o site. Ou seja, isso inclui desenvolvimento em HTML e CSS, duas linguagens essenciais para qualquer web designer.

O que um web designer precisa saber?

Tudo que um designer sabe. Especialmente sobre acessibilidade, usabilidade, tipografia na web, diagramação, edição de imagens, padrões web, etiqueta web e por aí vai.

O que é um desenvolvedor web?

É o profissional que desenvolve toda a programação de um site. Ele faz o que o web designer fez, funcionar. Existem dezenas de linguagens web[bb] que são utilizadas hoje em dia, e muitos preferem se especializar em apenas uma ou duas, devido a gigantesca quantidade de informações que cada linguagem possui.

O que é um micreiro?

Micreiro é um perjorativo. Esse ser, profundamente odiado pelo designer, não tem noção alguma sobre design. São pessoas que podem até conhecer a técnica e geralmente têm bom domínio sobre software, mas não entendem nada de teoria: seu conhecimento de tipografia, gestalt, cores é quase nulo. Quase sempre estes micreiros desenvolvem peças gráficas por um valor muito abaixo do mercado, fazendo com que a qualidade das mesmas sejam ruins.

Eu não fiz faculdade de design, sou micreiro?

Depende do seu nível de conhecimento. Se você tem domínio sobre as áreas teóricas do design, passou tempo estudando sobre técnicas e jeitos de se criar, provavelmente não seja. Micreiro não é aquele que não fez faculdade, é aquele que não tem conhecimento teórico algum sobre design e no entanto entitula-se designer.

O que é desenho industrial / desenhista industrial?

É a exata mesma coisa que design, só com um nome mais “abrasileirado”. No desenho industrial há as áreas de programação visual e e projeto de produto, que são respectivamente “design gráfico” e “design de produto”.

O que é logo, logotipo, marca e logomarca?

“‘Logomarca’ é redundante” Logo é o ícone que representa a empresa. Logotipo é o nome da empresa utilizando uma forma tipográfica (escrita). Marca é a percepção do usuário da identidade da empresa. Logomarca, na teoria não existe: se a marca é o que identifica a empresa, e logo é a representação da empresa que por sua vez é o que identifica ela, ambos são a mesma coisa. No entanto, virou um termo tão popular e tão utilizado que a briga pra tirar essa palavra do vocabulário é em vão (agradecimento aos nossos amigos publicitários por terem inventado essa palavra).

O que é identidade visual?

É a combinação do logo de uma empresa, suas cores institucionais e qualquer outra coisa esteja no seu manual de identidade visual. Este manual contém as instruções de como reproduzir o logo / o logotipo, em que tamanhos ele pode ser reproduzido afim de mantê-lo legível, quais são as cores que ela utiliza (em CMYK, RGB e Pantone), quais as diferentes versões em cores, quais cores de fundo ele poderá ter entre outras informações. A identidade visual da empresa é o conjunto disto tudo. Por exemplo, a identidade visual do banco Itaú têm como cores o azul, o laranja e o amarelo. Dentro de seu banco, a pessoa notará que estas cores são usadas em abundância e irá permitir facilmente o reconhecimento do local através das cores, da tipografia, etc.

Quanto um designer ganha?

Essa é a pergunta mais difícil de responder, e muitas vezes não depende do quão bom ele é. O seja, depende: depende da empresa onde ele trabalha, da cidade onde reside, do estado, o cenário da profissão na área dele, se é estagiário, formado, freelancer, etc. Do mesmo jeito que um médico pode ganhar muito, também pode ganhar pouco. Em Curitiba - PR há um mercado bem saturado de designers; em cada esquina é possível encontrar um escritório de design ou uma gráfica. Encontrar um estágio como estudante é fácil, o problema surge depois que você se forma. Já no norte (em Pernambuco por exemplo) é dificíl encontrar designers, porém o mercado requer poucos pois a população e as empresas ainda não enxergam o propósito de se ter um designer. Para saber quanto um designer ganha em sua região, o melhor seria encontrar um profissional que possa te dizer como o cenário atual dali está. Artigo relacionado no Digital Paper: Freelancer, quanto cobrar?

Ser freelancer ou ter emprego fixo?

Muito designer decide ser freelancer (profissional autônomo) para ganhar mais. Alguns destes ganham mais, outros não. O bom de ser freelancer é que você não gasta dinheiro com impostos (na teoria), você define seu próprio salário, não precisa responder a ninguém exceto ao cliente, têm horários flexíveis, etc. Em contra-partida, o freelancer não têm carteira assinada e não pode se aposentar, não têm renda comprovada e pode passar por um período de “seca”: aquele mês onde você não consegue nenhum cliente novo e suas contas a serem pagas começam a atrasar. Então depende muito de como você quer trabalhar. Freelancing funciona para alguns, não funciona para outros. O jeito, é testar ambos e ver qual que lhe cai melhor. Artigo no Digital Paper: Freelance versus emprego fixo.

Vale a pena fazer faculdade de design?

“Existe algumas coisas que você não aprende em livros “ Sim. Claro, existe algumas faculdades ruins por aí. O jeito é conhecer alunos destas faculdades e perguntar como são as aulas, como são os professores e como é a infra-estrutura. Existe algumas coisas que você simplesmente não aprende em livros ou em posts de blogs sobre design. Experiências reais de professores que atuam no mercado é uma destas coisas: é sempre bom saber como que o profissional vai lidar com determinado problema na vida real. Sem dúvida, existe muita coisa que você não vai poder aplicar na vida real devido a velocidade em que corre o mercado do design. Mas é sempre bom saber, pois se você acabar encontrando-se preso em algum lugar saberá como se safar usando uma técnica que requer mais tempo porém fará com que o trabalho seja feito. Pessoalmente, sou 100% a favor do ensino de design em faculdades. Afinal de contas, você pode facilmente aprender a construir casas através de apostilas na internet e livros: mas isso faz de você um engenheiro civil? Você contrataria uma pessoa que nunca fez uma faculdade de engenharia civil para construir a sua casa? Pense nisto.

Quem faz faculdade será um designer melhor?

Não. É a contra-partida de qualquer curso: haverá sempre aquele aluno que não está na faculdade para aprender, que não se esforça, que acredita que é o professor que precisa ensiná-lo como ser um designer bom. Entendam: quem faz a faculdade é o aluno, não o contrário! Sempre haverá aquele designer formado, com diploma em universidade federal de respeito, porém que é um designer medíocre. Não adianta fazer faculdade sem se esforçar, pois há muitos designers não-formados no mercado que estudam, se esforçam e não precisam de um diploma para dizer que são competentes: utilizam seu portfólio.

Existe faculdade de web design?

Sim, existem faculdades de desenvolvimento web e design para web em algumas universidades. Também existem cursos técnicos em web design, que geralmente engloba alguns princípios básicos do design, web design e um programação HTML. Pessoalmente, nunca fiz nenhum destes cursos, então não tenho como dizer se você aprende coisas novas lá. Muita gente aconselha a fazer uma faculdade de design gráfico e depois (ou durante) fazer um curso de programação HTML para saber como montar um site. Mas isto vai de cada um.

Qual a melhor faculdade de design na cidade X?

Existem muitas faculdades boas no Brasil e muitas ruins. O melhor jeito de descobrir é através do Orkut, acessando as comunidades de design (ou desenho industrial) das faculdades na sua região e perguntar aos membros destas comunidades como que é a infra-estrutura, como que são os professores e como é o curso em geral. Só assim para se ter uma melhor idéia da faculdade que você pretende cursar. E para não deixar dúvidas aos leitores, eu realmente não sei responder essa pergunta pois conheço apenas as faculdades da minha região.

Onde posso arranjar trabalho na minha cidade?

“(Para conseguir um emprego,) seja criativo!” Primeiramente, crie um portfólio: seja online ou seja impresso. Se você nunca fez nenhum serviço real, inclua trabalhos acadêmicos. Inclua sempre apenas aquilo que você gostou do que fez, esqueça os seus trabalhos “medianos” e “ruins”. Depois utilize o Google para procurar por “escritório de design + nome da sua cidade”. Em seguida, é só enviar o endereço do seu portfólio online ou enviar o seu portfólio (e currículo) via correio (ou deixar lá pessoalmente) e esperar. Se você tiver bons trabalhos e se mostrar competente, quem sabe o dono do escritório não te chame. Existem outras maneiras de se conseguir emprego na área, mas aí vai da criatividade de cada um. Seja criativo!

Um designer precisa ter um computador da Apple?

Não. Computadores da Apple (como o MacBook Pro ou Mini Mac) são bonitos, têm bom gerenciamento de memória em relação a programas de edição visual (Photoshop, Illustrator, etc) e muitas outras qualidades. Mas um designer não precisa ter um Mac. Ajuda, sem dúvida, mas não é essencial.

Como faço para ganhar muito dinheiro?

Prostitua-se. Falando sério: se eu soubesse como ganhar muito dinheiro no design, eu lançaria um livro com o título “Como ganhar muito dinheiro”, venderia 50.000 unidades a R$ 100,00 cada e dentro do livro estaria escrito “Escreva um livro e venda-o”. Não existe fórmula para isto, então parem de perguntar.

É interessante participar de concursos?

Não, e vou explicar por quê: de acordo com o capítulo III, Artigo 12º do Código de Ética Profissional do Designer Gráfico da Associação dos Designers Gráficos (ADG): “O Designer Gráfico não deve, sozinho ou em concorrência, participar de projetos especulativos, pelo qual só receberá o pagamento se o projeto vier a ser aprovado”. Pense neste exemplo: você é engenheiro civil e um cliente entra em contato com você e pede para que você construa uma casa para ele. Ele não diz onde, nem quantos quartos, nem nada. Só diz “Construa!”. Mas você não é o único: outros cinco engenheiros foram contactados e estão fazendo o mesmo. No final, o cliente vai escolher uma das casas e pagar por apenas esta. Você, que gastou dinheiro com mão de obra e materiais vai ficar no prejuízo. Mas e se você fosse muito muito muito bom e fizesse a melhor casa de todas, você ainda corre o risco de não ganhar e sabe por quê? Porque o cliente nunca falou quantos quartos queria, se queria uma casa grande, pequena, com piscina ou sem, etc. Não houve o “briefing”, então por melhor que tenha sido talvez não caiba nas necessidades do cliente. Os “concursos” são predatórios e trazem prejuízos ao mundo gráfico, então deveremos resistir e não participar! Artigo no Digital Paper: Um basta à especulação.

Onde posso aprender mais sobre Corel Draw, Photoshop, InDesign, Ill...

Atualmente, o Digital Paper fornece algumas vídeo-aulas. Se você tem uma necessidade gigantesca de aprender determinada coisa, não espere que alguém te ensine: corra atrás. O Google existe por um bom motivo, use-o!

Onde faço o download do Corel Draw, Photoshop, InDesign, Illustrato...

Você pode acessar o site oficial do Photoshop, Corel, InDesign ou Illustrator e fazer o download das versões de teste dos programas. Estas versões funcionam por 30 dias e depois requerem que você compre o produto original (cada um custa de US$ 500 pra cima). Existem alternativas gratuitas para estes programas, como o Gimp ou o Inkscape. Não forneço versões crackeadas ou keys para os programas pagos, não insista.

Posso mandar um trabalho que fiz para você analisar?

Não. Desculpe, mas o volume de e-mails aumentou ridicularmente nos últimos mêses. Simplesmente não dá para responder a todos e muito menos analisar trabalhos. Minha dica: poste em fóruns como o da Webly nas seções adequadas e receba opinião de outras pessoas.

Onde posso baixar um tutorial completo sobre web design ou design g...

Resposta rápida: no mesmo lugar onde você pode descobrir o sentido da vida, do universo e de tudo. Como design gráfico é um curso profissionalizante de 4 anos (em média), o que faz você pensar que existe um “tutorial” de “como ser um designer”? Não existe tal coisa, pois se em 4 anos já é difícil aprender o suficiente para ser um bom designer, em dois dias é impossível aprender um décimo do necessário para se tornar designer. Não insista: não existe um tutorial ensinando “como ser designer”.

Você pode me arranjar um emprego?

Não. No entanto, fique de olho aqui no Digital Paper pois ás vezes coloco ofertas de vagas. Mas não adianta me mandar seu currículo: este site não é uma empresa e não contratamos ninguém.

Tenho uma vaga para divulgar, como faço?

Entre em contato comigo pelo e-mail eu.canha arroba gmail.com. Existe um valor simbólico para anunciar no site, e em 90% dos casos a vaga é preenchida em até 48 horas por leitores do Digital Paper. Então veja isto como um investimento ;)

Você pode me linkar?

Depende. Se seu site for do interesse dos leitores do Digital Paper, tiver um design agradável, conteúdo relevante, etc, talvez eu linke.

Você pode fazer um tutorial sobre assunto X?

Talvez. Não faço tutoriais por encomenda e não dou aulas virtuais individuais. Entendam que eu gosto de compartilhar o conhecimento, e infelizmente não me sobra muito tempo durante o dia para me dedicar a escrever mais artigos pro Digital Paper então não me leve a mal caso aquele artigo que você pediu nunca seja publicado.

Preciso fazer um trabalho sobre X, você pode me ajudar?

Não. O conteúdo que está aqui, está aqui. Se não estiver, está em outro lugar. Eu não faço trabalhos escolares para ninguém, pois se você quiser ser um profissional medíocre, não estudar, não correr atrás de livros pra ler, sites para visitar, pessoas com quem conversar, o problema é seu. Não faço trabalhos escolares para terceiros, não insista. Logo, parem de pedir.

Minha dúvida não está respondida aqui. Como faço?

Deixe um comentário abaixo que irei responder lá mesmo. Sua dúvida pode ser a de muitas outras pessoas, então não hesite em escrevê-la! Se eu não souber responder, farei uma pesquisa e na medida do possível escreverei algo coerente.
Oi, Ed!

Já tinha lido esse post e achei-o bem completo. Tenho uma definição própria de design que costumo usar, mas como ela é bem polêmica, vou dar um tempo antes de apresentá-la (senão não vou conseguir trabalhar de tanto acompanhar listas de discussão). De nenhuma maneira ela contesta a versão que você está apresentando, mas é uma abordagem de um ponto de vista um pouco diferente. Gosto também da maneira como o João Gomes Filho apresenta a questão em seu livro "O design do objeto/bases conceituais".

Sobre a questão do design de embalagem, penso que é a multidisciplinaridade dentro da multidisciplinaridade. Um daqueles casos onde o profissional precisa dominar o gráfico e o produto, além do design da informação (que, na minha opinião, é bastante falha na formação do designer).

Sobre tabelas de preços, tem um blog chamado IFD com várias referências muito úteis (aliás, o blog é tudo de ótimo). Dá uma olhada: http://www.ifd.com.br/blog/2004/07/29/quanto_cobrar/

Lá também tem umas discussões bem legais sobre a regulamentação profissional, tanto do design como da publicidade.

RSS

-----------------------

O banner de sua empresa também pode estar aqui.
Entre em contato conosco para saber mais detalhes.
portaldesignbr@icloud.com

Membros

Design: Ações e Críticas

N_Goiânia 2014 – confirmado!

Pois é pessoal, mais um NDesign pela frente. Apesar deste ser a VIGÉSIMA QUARTA edição do evento, é apenas a TERCEIRA onde Design de Interiores/Ambientes tem seu merecido espaço na grade. Já podemos dizer que conseguimos ser reconhecido, pelos acadêmicos, como uma área do DESIGN! E eu mais uma vez estarei por lá defendendo a nossa área. … Continuar lendo

O que vai mudar para quem não tem formação em Design após a regulamentação?

Praticamente nada. Todos poderão continuar realizando seu trabalho tranquilamente. A questão é: o uso do título “designer (+ área)” ficará restrito aos profissionais legalmente habilitados de acordo com as diretrizes do MEC. Por exemplo: O decorador vai continuar fazendo seus projetos tranquilamente. Mas deverá utilizar o título pertinente à sua atuação/formação: Decoração. Logo, Decorador de Interiores. O … Continuar lendo

É puro blablablá… CHEGA!

Bom pessoal, lamento informar mas realmente não dá mais para continuar nisso. Já escrevi recentemente sobre isso aqui no blog mas atendendo aos pedidos me mantive na luta pela regulamentação. Agora realmente não dá mais. O desgaste emocional/pessoal está muito grande e está atrapalhando o meu lado profissional. E tenho outras prioridades em minha vida … Continuar lendo

#VemPraRuaDesigner – Expolux

  Amigos Designers (de todas as áreas), especialmente os de São Paulo (capital), ATENÇÃO!!! Temos de começar a fazer barulho senão a regulamentação não vai sair. Vamos aproveitar a abertura da feira Expolux e fazer um barulhão pacífico lá na frente. O Brasil, os empresários, a mídia e a sociedade precisam saber do que algumas … Continuar lendo

N_Goiânia 2014, mude seu estado_

E aí pessoas estudantes, já estão preparando as malas, mochilas, barracas, fantasias para as festas, dando uma turbinada na inspiração e reforçando a resistência para encarar as atividades do N2014?? Este será o 24º Encontro Nacional de Estudantes de Design (NDesign) Desta vez será realizado em GO GO GO GO GOIÂNIA!!! E a data já … Continuar lendo

Fotos

  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

© 2014   Criado por Portal DesignBR.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço


Corpo do texto